Receitas, Sopas

Sabores de primavera em forma de sopa

Adoro a Primavera…

Nesta altura do ano as capas das revistas de culinária enchem-se de imagens frescas de legumes verdinhos… estas sempre foram as minhas favoritas. Juntamente com o dossier especial literatura policial da revista Lire (invariavelmente, em Abril), as ervilhas e espargos e outros legumes de Primavera foram sendo os meus arautos personalizados do bom tempo.

… e os legumes novos que aparecem…

Com a mudança de estação, não só apetece mudar de roupa como também de ingredientes no prato. E felizmente para todos os que partilham esta minha mania – de gostar de comer coisas fresquinhas e com cores – cada mês que passa vão surgindo mais legumes novos, acabados de colher.

… especialmente as ervilhas!

As primeiras a aparecer são as ervilhas e as favas. É tão giro quando vou à praça e lá estão os sacos de bolinhas verdes acabadas de descascar. Dá-me a sensação de fazer parte de qualquer coisa de muito real, de muito terreno. Tão mais envolvente do que comprar um saco de congelados…

E bom, nunca resisto e compro sempre, sobretudo as ervilhas. Às favas… lá chegaremos 🙂

E no sábado passado foi isso mesmo. Entre grelos maravilhosos (que não chegaram a fazer história para aqui, comi-os num instante), beringelas polidas, tomates assim ainda quase verdes como a minha mãe comprava, lá estavam as ervilhas novinhas, polidas, brilhantes. Saltaram-me para o colo, na figura de um saco de tamanho considerável.

E tu, o que compras mais nesta altura do ano?

Devo ter trazido mais coisas pois dei comigo a fechar o frigorífico com uma mão e com a outra a empurrar o excesso para dentro. Parecia o metro em Tóquio…

Voltando às ervilhas: a primeira coisa que pensei foi numa sopa. Pode parecer estranho, dado que o tempo vai aquecendo. Mas uma sopa com sabor a Primavera é perfeita para um jantar nesta época do ano.

As ervas frescas também fazem bem

E como nestas jornadas de mercado acabo sempre por trazer imensas ervas, a maior parte delas grátis, uma sopa de ervilhas e coentros pareceu-me a ideia perfeita para celebrar a nova estação. Já agora, se não te lembras, lê aqui o artigo em que falar de como os coentros são um super alimento quase gratuito.

A arte de fazer sopas com ervas frescas está em não as cozer por tempos sem fim. Não, nunca!

O que faço é juntá-las mesmo no fim, já fora do lume. Deixo-as amolecer com o resto do vapor dentro da panela e então passo a sopa com a varinha. Mesmo as ervilhas estiveram ao lume apenas 15 minutos. Desta maneira ficas com uma sopa com sabores bem definidos, puros.

Então aqui está a receita:

Sopa de primavera com ervilhas e coentros

Ingredientes

para seis pessoas

  • 1 colher de sopa de óleo de coco
  • 1 curgete grande
  • 2 dentes de alho
  • 2 alhos franceses (ou 1 alho francês e 1 cebola branca)
  • 3 chávenas de chá de ervilhas frescas (também podes usar congeladas, claro)
  • 1 chávena de chá de coentros
  • 1 colher de café de sal marinho
  • 1 litro de água a ferver
  • Opcional: 1 colher de sopa de sumo de limão

Método

Descasca a curgete e corta em cubos. Pica os dentes de alho. Lava bem e corta os alhos franceses em rodelas finas. Se usares a cebola em vez de 1 alho francês, descasca e corta em pedaços.

Põe a tua panela de sopa ao lume, com o óleo de coco, o alho, a curgete e os alhos franceses (e a cebola, caso uses). Tapa e deixa transpirar (não há outro termo mais ilustrativo) em lume brando por 10 minutos. Vai mexendo de vez em quando – duas vezes basta para estes 10 minutos.

Aquece 1 litro de água. Junta as ervilhas na panela e cerca de 800 ml da água quente. Levanta o lume e deixa cozer em lume médio por 15 minutos.

Desliga o lume, tempera com o sal e deita os coentros na panela. Tapa por 3-4 minutos.

Bate a sopa com a batedeira (eu uso a varinha mágica – ou “stick blender”, em inglês, que é menos tolo).

Nesta altura usa o resto da água quente para ajustar a consistência à tua preferência. Eu acabei por usar toda a água, não me apetecia uma sopa demasiado grossa.

É agora que juntas o sumo de limão e ajustas o sal ao teu gosto. Eu não acrescentei mais sal – gosto de sentir o sabor açucarado das ervilhas e acho que o sumo de limão já o equilibra o suficiente.

Toppings

Aqui impõem-se uma folhas de coentros frescos.

A sopa ficaria ótima também com uma colher de chá de iogurte de coco natural, mas não agora tenho 🙁

Para um toque mais salgado, cajú tostado temperado com tamari. Ou, numa opção não vegan, uns cubos pequenos de queijo feta biológico.

Mas é claro que podes juntar o que gostares!

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *